O mais belo encontro

Quantas pessoas não possuem todos os motivos para sorrir e vivem deprimidas, angustiadas? Quantas não tiveram uma infância serena e acabaram por se tornar ansiosas e impulsivas? Quantas não cresceram em casas protegidas, mas não sabem proteger minimamente a emoção e deixam os pequenos problemas ter um impacto enorme?

Discutir, gritar, impor ideias, nem de longe significa ter um Eu forte. Dizer o que vem à mente, dizer sempre a verdade, nem sempre é a expressão de um Eu maduro, mas sim de um que não tem autocontrolo. Um Eu maduro aprende o alfabeto do autodiálogo, que conversa consigo, aquieta a sua ansiedade, protege-se contra o stresse diário, repensa a sua história, transforma perdas em ganhos, crises em oportunidades.

Antes de tudo deve-se manipular as ferramentas do autodiálogo para questionar quais são os traumas que nos perturbam: excesso de peso, magreza, fealdade, incompetência? Deve-se também questionar sobre o que os controla: medo, inveja, ciúme, ideias fixas, sentimentos de inferioridade, sofrimento por antecipação, preocupações excessivas, exigir demasiado de si próprio?

Saber desenvolver a saúde psíquica é fundamental para conquistar um amor saudável e relações felizes. Ser livre não é viver em democracia, mas ter liberdade no complexo mundo psíquico que nos torna seres pensantes. Não basta ter uma moradia digna para alcançar o conforto, é preciso encontrar o mais importante dos endereços, UM ENDEREÇO DENTRO DE SI MESMA.

 Dialogue consigo, vai ver que coisas maravilhosas vai descobrir…..

self-reflection2

Fonte: Augusto Cury

 

Last updated: Janeiro 18, 2015

Comments

No comments yet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.